segunda-feira, 30 de maio de 2011

Resenha do livro "Linguagem e Ideologia"

FIORIN, José Luiz. Linguagem e ideologia.  2. ed. São Paulo: Ática, 1990.
Fiorin aborda, no livro Linguagem e ideologia, a relação que a linguagem mantém com a ideologia, ou melhor, a influência que uma exerce sobre a outra. O livro tem como ponto de partida estudos de grandes pensadores, como Marx e Engels, e, a partir daí, Fiorin, de uma maneira incrível, trabalha diversos conceitos que relacionam a importância da linguagem na formação ideológica do indivíduo, levando em conta os fatores sociais que, segundo o autor, são determinantes para a efetivação dessa formação ideológica.
O sistema linguístico de uma língua sofre alterações devido a fatores internos da língua, e não a externos. O que chama a atenção a esse fato é que a criação de categorias linguísticas provavelmente depende de fatores sociais, porém essas categorias perdem os laços que têm com os fatores sociais que contribuíram para seu aparecimento, ganhando, dessa forma, autonomia.
         O autor faz distinções entre alguns termos, as quais acabam ajudando no entendimento do livro. Uma dessas distinções importantes é entre o discurso e a fala. O discurso são “[...] as combinações de elementos linguísticos, usados pelos falantes com o propósito de exprimir seus pensamentos” (FIORIN, 1990, p. 11), enquanto a fala seria a concretização desse discurso, sua exteriorização. O discurso, para ser compreendido em sua totalidade, tem que estar bem-estruturado sintática e semanticamente. O autor distingue também sintaxe discursiva de semântica discursiva, sendo a sintaxe predominantemente consciente, e a semântica inconsciente, pois, para se expressar, o falante tem que estruturar o que vai ser dito, já o conteúdo é influenciado pelo contexto social. Dois discursos podem se referir à mesma coisa e, mesmo assim, serem discursos distintos, se cada um tratar do assunto sob pontos de vista diferentes.
O texto é um dos veículos de expressão do discurso. Existem dois tipos de texto: o temático (não figurativo) e o figurativo. Segundo Fiorin (1990, p. 26):
Tema é o elemento semântico que designa um elemento não-presente no mundo natural, mas que exerce o papel de categoria ordenadora dos fatos observáveis. São temas, por exemplo, amor, paixão. Lealdade, alegria. Figura é o elemento semântico que remete a um elemento do mundo natural: casa, mesa, mulher, rosa etc.
Já o discurso figurativo é a concretização de algum discurso temático, ou seja, um está interligado ao outro, o discurso figurativo narra um determinado episódio, e o temático é  dissertativo, pois está contido através da “moral” da história.
Toda formação ideológica é determinada pela classe social do indivíduo, sendo que a ideologia da classe dominante tem influência sobre as demais. Nenhum indivíduo é livre ideologicamente, todas as suas ideias e pensamentos são influenciados pelo contexto social no qual ele está inserido. A linguagem é o que determina a formação ideológica, pois é através dela que se transmite qualquer forma de conhecimento. É através da linguagem que o homem se relaciona com os outros e pode interferir (agir) no mundo.
Fiorin (1990, p. 26) mostra que há dois níveis de realidade: “[...] um de essência e um de aparência, ou seja, um profundo e um superficial, um não visível e um fenomênico”. É a partir do nível de aparência que se forma a ideologia dominante num contexto social. O autor dá como exemplo a exploração do trabalho no sistema capitalista, em que o trabalhador recebe pela força de trabalho, mas acha que recebe pelo trabalho. Nesse caso só analisando a realidade pelo nível da essência é que se percebe que o trabalhador está sendo enganado, mas, como a maioria das pessoas é levada a ver a realidade pelo nível de aparência, a realidade continua mascarada.
A ideologia é construída pela realidade, ao mesmo tempo que é construtora dessa mesma realidade. Sendo assim, o discurso é expressão da consciência, mas essa consciência é formada pelos discursos com os quais o indivíduo teve contato. O mesmo discurso pode se manifestar através de diferentes meios de expressão, sendo cada um a sua maneira. Por exemplo, um livro que é usado para se fazer um filme é o mesmo discurso expresso por dois meios distintos.
O livro de Fiorin é ótimo para entender melhor a importância da linguagem, pois ela é o veículo de todo conhecimento e formadora de toda ideologia. O autor abordou todos esses conceitos e elaborou o livro de forma brilhante. Trata-se de uma obra que faz o leitor refletir sobre o mundo a sua volta, tornando o seu olhar diferente, mais crítico e perspicaz.

Cândida Morais Quaresma
Daniel Sousa Rocha
Emanuele Cristine
Gisele Gomes
Suzidarle da Silva Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário